quarta-feira, 11 de novembro de 2015

GOSTOSA DO CORNO

Mais uma contribuição de uma amigo que quer muito ser corno e adora que desejem sua delicia de esposa conforme o próprio texto enviado no corpo do e-mail pelo mesmo.

Mensagem do corno: Olá leitores aqui vai algumas fotos da  delícia da minha esposa, ela está louca pra ver vocês excitados com a fotos dela , caso queria mandar fotos pra nós gust.bibi01@gmail.com comentem também.


quer sua esposa aqui -  mandem email para amantedopa@gmail.com


A Primeira Vez

Olá, sou casado há 12 anos e tenho 35 anos. Sou moreno claro tenho 1,80 m de altura e 78 kg. Pernas grossas e peludas e peito peludo. Minha gata tem 35 anos e é branca 1,69 m e 58 kg. Tem seios pequenos e bunda grande com as cochas grossas e uma xaninha pequenininha e muito deliciosa. Sempre fui taradão, adoro contos, fotos, Chat e tudo mais que puderem imaginar em relação a sexo.

Minha gata é mais calma, mas sempre tivemos um relacionamento muito bom, em todos os sentidos. Sempre falei pra ela das minhas fantasias e ela sempre entendeu e conversava comigo, mas nunca se animou em realizar a de transarmos com outro homem. Eu sempre voltava neste assunto com ela e indicava alguns nomes de amigos nossos pra ver se ela se interessava por algum.

Até que um dia ela finalmente soltou um comentário De todos os seus amigos o Zé realmente é único que salva, realmente ele é um gatinho Fiquei todo animadinho. Este meu amigo o Zé (nome fictício) era da faculdade e já tínhamos feito alguns rock´s com umas garotas na época da faculdade. Depois de algum tempo eu e minha gata conversando ela falou (meio envergonhada) Será que ele toparia sair conosco Falei pra ela que tinha certeza que sim e acabei contando algumas de nossas aventuras juntos, eu e o Zé. Certo dia encontramos com ele na praia e ficamos conversando, tinha muita gente junto e quando estávamos nos despedindo ela o convidou pra ir até a nossa casa.

Ele disse que estava com pressa e acabou não rolando nada. Algum tempo depois era uma sexta feira e já tínhamos tomados umas cervejas quanto o Zé me ligou perguntando o que estava fazendo. Na hora ela percebeu que era e ligou as anteninhas pra ver o que conversamos. Falei que estava com outros amigos num bar e ele falou que tínhamos que marcar de sair, pois tinha tempo que não nos víamos e terminamos a nossa conversa. Ela veio logo querendo saber o que tínhamos conversado, mas eu mudei de assunto, passado um tempo fomos pra casa. Chegando na garagem do prédio ela falou que não queria subir e que estava com muito tezão e que queria pegar meu telefone pra ligar pra todos os meus amigos e só falaria putaria. Eu fiquei com um tezão maluco.

Ela geralmente é mais quietinha e só se solta depois que já estamos transando quando o tezão já está a 100 k/h. Na mesma hora peguei o telefone e liguei para o Zé. Chamei ele pra vir pra minha casa, pois iríamos os dois passar o ferro na minha mulher. Ele demorou a acreditar ( 2 segundos) e falou que já estava vindo. Subimos e ela ficou sem lugar dentro de casa. Dizia que estava com vergonha e que estava arrependida. Eu disse que agora não tinha mais volta e que ele já estava vindo, quando toca o celular. Era ele dizendo que já estava lá em baixo. Quando ele chegou abri uma cerveja e logo depois ela chegou.

Ficamos conversando assuntos bobos foi quando ela saiu. Eu falei que ele poderia chegar nela e então deixei os dois sozinho na sala. Tem um vidro no corredor que dá pra sala e pude ficar observando os dois sem que eles me vissem. Ele foi chegando perto dela e falando alguma coisa que não pude ouvir e eles começaram a se beijar. Ela sentada e ele em pé, daí ele foi acariciando os seios delas e eles se levantaram e ele a encostou na parede dando uma amasso de primeira na minha gatinha.

Foi quando eu apareci. Ela parou com a brincadeira e falou que iria mudar de roupa e sai deixando eu o Zé na sala. Conversamos um pouco e falei que estava muito excitado e que isso era um desejo meu. Fui até o outro quarto e peguei a maquina fotográfica digital e nos sentamos no sofá. Ela volta e estava um tezão. Com uma saia curta preta, calcinha transparente preta, cinta liga preta, sitiem preto e um blazer preto por cima. Disse que era a minha secretaria de se sentou ente os dois. Caímos em cima dela imediatamente, os dois ao mesmo tempo.

Ela ficou de 4 com os joelhos no sofá e os dois tirando a roupa dela e alisando aquela gata por todo o seu corpo. Ela já estava peladinha e começamos a tirar nossa roupa. O pau do Zé é pequeno e ela caiu de boca imediatamente engolindo ele todo, uma coisa que ela não esta acostumada, pois o meu pau é bem grande e grosso. Eu fiquei olhando ela chupar e comecei a bater as fotos. Neste momento eu me afastei e enquanto eles faziam o show eu era o fotografo. Eles fizeram um 69 com ela por baixo, depois ela ficou de 4 no sofá pra ele a chupar por traz e fazer umas encoxadas, mas sem penetração.

Ela gemia igual uma putinha, Foi quando ela me pediu pra ir pegar a camisinha. O que fiz prontamente. Quando voltei não sei porque, mas já cheguei com a camisinha na mão e segurei o pau do Zé e coloquei a camisinha nele. Ele deu um gemido de aprovação, seu pau pequeno estava latejando na minha mão de tanto tezão. Nesta hora a minha gata estava deitada no sofá com as pernas totalmente abertas pedindo pra que ele metesse logo nela. Dei uma chupada bem melada na sua xaninnha, pra ela ficar bem molhada, o que nem precisava, pois ela estava escorrendo de tezão. Ele meteu aquele pauzinho nela com força. Foi ai que vi a minha gata virar uma puta. Ela gritava feito uma cachorra. Pegava ele pela bunda e puxava pra si, pedindo pra ele meter mais forte. Ele gozou num instante. Ela pediu pra eu pegar outra camisinha, mas as que tínhamos em casa já tinham acabado então falei que iria ao carro buscar mais.

Vesti uma bermuda e desci. Quando voltei do elevador eu já escutei os gritos da minha puta metendo com Zé. Os dois nem esperaram a camisinha. Quando entrei na sala ela estava de 4 levando ferro igual uma puta, urrando e gritando. Quando me viu pegou o meu pau e chupou com uma volúpia de dar inveja, enquanto o Zé dava um capricho na xaninha dela de 4. Ele gozou novamente nas costas dela e ela passou a chupar o pau dele. O pau dele apesar de pequeno não ficava mole um só instante. Ele se deitou no sofá ela começou a chupar todo o seu corpo enquanto ele ficava o olhando e olhando para o seu pau, fazendo sinal com os olhos pra eu chupá-lo. Não pensei duas vezes. Nunca tinha chupado um pau antes, mas cai de boca e chupei aquele pauzinho todo.

Eu e minha gata fizemos ele ir às nuvens. Demos uma chupada nele que acho que nunca mais vai esquecer. Daí ele pediu pra ela sentar na sua vara. Botei outra camisinha nele e ela sentou. Aproveitei pra tirar mais uma seção de foto dela cavalgando na vara do meu amigo. Depois passei a chupar o saco dele enquanto ela sentava no seu pau. Neste instante o vizinho bate na porta e reclama do barulho. Já eram umas 3:00h e a minha gata gritava tanto que o barulho estava indo ao AP ao lado. Eu e o Zé caímos na risada e ela nem notou nada. Logo em seguida ele gozou mais uma vez. Na hora de gozar ele a deitou de costas no sofá e tirou a camisinha gozando tudo na sua barriga. Foi então que ela se deitou de ladinho abrindo aquele bucetão pra mim e pedindo pra eu fazer ela gozar, pois estava morrendo de tezão a ainda não tinha conseguido gozar nenhuma vez, e que ela gostava mesmo era do meu pauzão. Nossa aquilo foi o Maximo. Meti nela com força. O Zé pegou a maquina e começou e tirar fotos nossas. Ela gritou mais alto ainda e tivemos que tapar a sua boca, pois estava parecendo que estávamos matando ela.

Ela gozou na minha vara com uma intensidade que tinha visto poucas vezes. Ela ficou fazendo aquelas contrações na vagina que eu adoro, apertando o meu pau com sus músculos vaginais. Quando começou a gozar procurou o pau do Zé pra ficar segurando enquanto gozava, que por sinal ainda estava duro. Ficamos assim por um bom tempo, eu engatado nela e ela segurando o pau do Zé, enquanto víamos as fotos na máquina. Ela se levantou e foi até o quarto vestir um roupão. Eu e Zé abrimos mais uma cerveja e logo depois nos despedimos. Convidamos ele pra nos visitar outras vezes, pois tínhamos gostado muito de sua visita. Essa foi a nossa primeira vez com outro homem, depois disto o nosso amigo ficou intimo da nossa casa.

Enviado por casal.casado@gmail.com



quer seu conto aqui -  envie email para amantedopa@gmail.com

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Marido amigo...

Curtimos ménagem e adoro a sensação de ser corno. Ela já saiu sozinha duas vezes e já saímos com mais de 30 comedores ao longo de 6 anos. 

Essas fotos é da saída dela com um sargento da Marinha. Ele a pegou no trabalho, foram ao motel e eu em casa ouvindo eles foderem pelo telefone, quando acabaram, fui buscá-la em um barzinho próximo ao motel. Ela estava de vestido, sem calcinha. O Comedor ficou conosco por um tempo e depois foi embora. Daí, pagamos a conta e viemos pra casa, onde fui conferir a situação, que estava bem arrombadinha e com aquele cheiro maravilho se sexo, de buceta recém arrobada, com odor da camisinha. 
Chupei bastante e depois fodemos mais um pouco. 
Adoramos isso, adoro ser corno e ela adora uma pica e fode como ninguém.




 

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Minha esposa fudeu com um desconhecido - Conto eviado por um amigo..

Estávamos nos últimos dias das férias de julho em Salvador-BA, já ultimando preparativos para voltarmos a nossa cidade, pois moramos em Belém-Pa. Minha esposa Any estava na piscina do hotel pegando sol, morena clara, 1,71m, coxas grossas, bumbum médio deliciosíssimo quando está de fio dental. Havia um hóspede que também estava na piscina, corpo atlético e mostrava um grande volume dentro de seu short branco. Cheguei pra minha esposa e lhe chamei atenção para o fato lhe dizendo “olha o tamanho do pau daquele cara que está sainda da piscina”. Ela olhou e ficou admirada com o volume do pau do cara, e notei de vez em quando ela arriscava umas olhadelas. Acabou que acabamos fazendo amizade, onde ficamos sabendo que ele se chamava André, que era de São Paulo e estava passando um final de semana e por coincidência estava no quarto ao lado do nosso. Começamos a beber várias cervejas até o final da tarde e ele ficou muito chapado mesmo, já estava falando com a língua pesada. Numa hora ele foi ao banheiro e quando vinha voltando quase caiu, minha esposa pediu para que eu ajudasse porque ele iria acabar se machucando. Realmente ele havia bebido demais e resolvemos parar por aí. Falei que o ajudaria a subir para o seu quarto, já que ficava ao lado do nosso. Chegando lá abrimos a porta e eu o ajudei a entrar, minha esposa falou que seria melhor ele tomar um banho e eu disse que provavelmente ele escorregaria e cairia e poderia se machucar, mas, falando já com malícia, disse que ela poderia ajudar a dar banho nele e fui logo indo para o banheiro. Eu o coloquei debaixo do chuveiro e fui dizendo passa o sabonete nele que eu fico segurando. Ela meio sem jeito, meio com vergonha começou a ensaboá-lo e notei que não tirava o olho do volume do cacete dele. Então eu disse tira o calção dele e faz o serviço completo, ela relutou, então com uma das mãos puxei o calção para baixo no que saltou uma senhora pica que deveria ter uns 20cm ou mais. Minha esposa ficou hipnotizada com aquele cacete e eu incentivando, “vai lava ele todo”. Ela timidamente começou a passar o sabonete em toda a extensão daquele cacetão, que ao sentir a carícia deu um leve sinal de querer acordar. O André então falava coisas desconexas e ela continuava a punhetá-lo admirando o tamanho da jeba. Enxugamos nosso amigo e o levamos para a cama, então eu disse que iria tirar uma foto dela pegando naquele cacetão, ela começou a rir e eu a tirar fotos, ficou punhetando novamente nosso novo amigo e seu pau começou novamente a enrijecer. Então falei pra ela colocar os labios na pica dele para mais fotos, depois mandei que ela começasse a chupar gostoso, ela perguntou se eu estava ficando louco, respondi que iríamos viajar no outro dia, portanto, nunca mais o veríamos e que ninguém iria saber mesmo. Ela ainda relutou, mas estava fascinada com aquela pica avantajada. Empurrei sua cabeça para junto daquela pica e ela não se fez mais de rogada. Começou chupar de modo voraz, passava a lingua em toda a extensão daquela pica que já se encontrava agora dura e nosso amigo falando um monte de coisas que não entendiamos. Me aproximei de minha esposa e meti a mão em sua buceta que estava supermolhada, ela já havia gozado só de chupar a pica do nosso amigo. Tirei seu biquini e disse para ela aproveitar e fuder gostoso aquele cacete. Ela foi para cima e começou a encaixar aquela cabeçorra na sua bucetinha, até pensei que ela não aguentaria tudo aquilo. Mas para minha surpresa, enquanto eu tirava foto, a cabeçona foi sumindo na buceta da minha esposa e o cacete foi escorregando e em poucos segundo estava todo atolado na buceta gostosa da minha esposa. Ela delirava e gozava seguidamente. Ficou um bom tempo cavalgando alucinada na pica do nosso amigo. Eu continuava incentivando “vai minha putinha, tu estava mesmo doida pra fuder esse picão, confessa. Eu sabia que tu gostava de levar vara de outro macho, confessa. Fala pra mim o que tu vais fazer com outro macho”. Ela mais uma vez gozando dizia que eu era corninho dela e que de agora em diante eu teria que deixá-la fuder gostoso com outro machos tesudos, sempre que ela quizesse. Que sempre teve muita vontade de dar para outros caras, mas que tinha medo que eu não aceitasse. E que da próxima vez eu teria que tirar foto dela levando pica no cuzinho.
Minha esposa ainda gozou varias vezes antes de cair quase desmaida e saciada. Ainda a fiz arreganhar sua bucetinha para que eu visse o estado em que ficou, estava toda arrombada, não resisti e cai de boca chupando tudo com muito tesão. Depois ela botou de volta seu biquini, fomos embora para o nosso quarto e viajamos bem cedo e nunca mais vimos o nosso amigo. Não sei se ele lembra devido o estado etílico em que se encontrava, se lembrar mantenha contato, quem sabe não repetimos tudo, mas desta vez sóbrios.